[ATUALIZADO] Vídeo que circula nas redes sociais mostra idoso sendo molhado por seguranças em Caxias

Vídeo que circula nas redes sociais mostra idoso sendo molhado por seguranças em Caxias

 

Situação teria ocorrido no final do ano passado e envolve uma empresa contratada pela prefeitura

 

Um vídeo gravado em Caxias do Sul que circula nas redes sociais vem repercutindo entre os internautas. As imagens mostram seguranças, vestidos com uniformes, molhando um idoso, na saída dos banheiros da Praça Dante Alighieri, no Centro. Nos vídeos, gravados à noite, dois homens aparecem rindo, um deles segurando uma mangueira e molhando o idoso, vestido com uma camiseta vermelha, que caminha na saída dos sanitários, sem esboçar reação.

O primeiro vídeo chegou a conhecimento público por meio do perfil pessoal do vereador Rafael Bueno (PDT) na sexta-feira (18). Na publicação, o político afirma que espera providências da prefeitura de Caxias e garante que se nada for feito, fará uma denúncia ao Ministério Público.

Segundo Alex Sandro Gonçalves Moraes, sócio proprietário da empresa na qual trabalham os seguranças, o vídeo foi gravado no final do ano passado. A empresa teria sido contratada pela prefeitura, via Secretaria Municipal da Cultura, de forma terceirizada, para garantir a segurança dos enfeites natalinos que decoravam a Praça Dante até a primeira semana de janeiro.

Moraes trabalha como segurança na empresa e é ele quem aparece no vídeo com a mangueira molhando o idoso. Ele garante que, naquela noite, o senhor de camiseta vermelha solicitou que ele e os colegas dessem um banho nele, pois estaria cheirando mal.

— Ele disse que estava com calor e suado. No vídeo, estamos rindo e ele indo embora. Se fosse uma atitude maldosa, iria aparecer esse senhor nos xingando. Mas isso não aconteceu. O pessoal que frequentou a praça na época de Natal deve ter visto a gente conversando com ele no nosso contêiner. Ele é um dos poucos que fica na praça que não incomoda. Ele é bem na dele, conversava com a gente. Nós não teríamos motivo para ter uma atitude de prevalecimento com ele — justifica.

Ainda conforme Moraes, o vídeo foi gravado por um homem que estava utilizando o banheiro no momento da suposta brincadeira:

— Trabalhamos com eventos com mais de 4 mil pessoas e nunca demos uma tapa em ninguém. Não seria com um senhor que iríamos fazer algo por maldade. Podem ter certeza disso. Não somos esses monstros que estão falando.

Conforme o diretor da Guarda Municipal, Ivo Rauber, os servidores que ficam na praça não perceberam a atitude dos seguranças:

— Ficamos 24h na Praça Dante e não conseguimos visualizar o que houve, o banheiro fica em um ponto mais escondido. Repudiamos esse tipo de atitude e esperamos que os responsáveis sejam punidos. Se tivéssemos visto, iríamos encaminhar os responsáveis para a delegacia para fazer o registro policial. Esperamos que sejam tomadas as devidas providências e os responsáveis sejam responsabilizados criminalmente. É lamentável esse tipo de atitude, independentemente de ser segurança pública ou privada, tem que proteger a população.

Por meio de nota divulgada na tarde deste sábado, a prefeitura de Caxias do Sul esclarece que a empresa de segurança mostrada no vídeo prestou serviços à Secretaria Municipal da Cultura durante a realização do Caxias Mais Presente, na Praça Dante Alighieri, no mês de dezembro.

Conforme o documento, a contratação foi necessária já que o município não possui guardas municipais suficientes no horário das 19h às 8h. A demanda seria para fazer a segurança dos eventos e da decoração natalina.

O material enviado pela administração municipal destaca ainda que “a prefeitura é totalmente contra qualquer tipo de ato que venha a ferir a dignidade humana e espera que o caso seja completamente esclarecido pelas autoridades competentes, antes de emitir qualquer juízo. O município também se coloca à disposição para prestar informações referentes à contratação da empresa, auxiliando na busca pela verdade dos fatos”.

O homem de 56 anos foi identificado pela Fundação de Assistência Social (FAS). Ele está internado em um serviço de saúde para o tratamento de alcoolismo.

— Entramos em contato hoje (quarta-feira) com a clínica. Queremos saber se tem condições de se manifestar ou não de acordo com a avaliação médica. Assim que for liberado, ouviremos ele. Se possível essa semana ainda — aponta o delegado Vitor Carnaúba.

Neste primeiro momento, o chefe da 1º Distrito Policial percebe um crime de injúria, que tem pena de detenção de um a seis meses ou multa.

— Lesão corporal, em princípio, não vi. O que resta, por enquanto, é uma injúria. Mas precisamos verificar o que ele (vítima) irá dizer. Essas imagens (do vídeo divulgado pelo vereador) são suficientes, porque dizem o que aconteceu naquele momento. Mas ficamos na pendência do que a vítima disser — explica o delegado Carnaúba, que esclarece que este não pode ser um caso de maus tratos porque o homem tem menos de 60 anos e, portanto, não é idoso.

Um segundo vídeo foi divulgado nesta quarta-feira e, para o delegado Carnaúba, evidencia ainda mais a injúria contra a vítima. As novas imagens mostram o que ocorreu dentro do banheiro público, quando os vigilantes utilizam a água para enxotar o homem da cabine. Os seguranças reclamam do cheiro da vítima. “Vamos, meu”, “sai daí, demônio”,  “Vamos, carniça”, “Vai tomar banho, fedorento” são algumas das frases ouvidas no vídeo, que também mostra os vigilantes direcionando a água diretamente no rosto da vítima.

— A água agrava a injúria, porque é para ofender, não para machucar. Agride a honra da pessoa — aponta o delegado Carnaúba.

O vídeo desmente a versão dada pelo sócio proprietário da empresa de vigilância, Alex Sandro Gonçalves Moraes, durante entrevista à emissora RBS TV no sábado. Moraes, que aparece nas imagens, alegou que a situação foi uma brincadeira e garantiu ainda que o senhor de camiseta vermelha havia solicitado que fosse molhado.

[NOTA DE ESCLARECIMENTO]

O SINVICXS repudia todo e qualquer tipo de desrespeito e abuso de autoridade e esclarece que o profissional exibido nas filmagens e a empresa relacionada, não são vinculados ao sindicato.

 

ATUALIZAÇÃO:

Os dois seguranças que molharam um homem de 56 anos no banheiro da Praça Dante Alighieri em Caxias do Sul preferiram se manter em silêncio durante depoimento no 1º Distrito Policial (1º DP) na manhã desta quarta-feira. Segundo o delegado Vítor Carnaúba, os dois homens compareceram na delegacia acompanhados de advogado e optaram por se manifestar somente na Justiça.

Alex Sandro Gonçalves Moraes, sócio proprietário da empresa de segurança contratada pela prefeitura, e Douglas Luiz Alves Noronha da Silva, funcionário da empresa, aparecem num vídeo jogando água em Irineu Seibert.

Conforme o delegado Vítor, os dois homens devem ser responsabilizados por crime de injúria, que tem pena de detenção de um a seis meses ou multa. O inquérito será concluído ainda nesta semana.

_ O fato ocorreu, pois as imagens mostram isso _ ressalta Vítor.

FONTE: PIONEIRO

Horários Sede Campestre

Informamos que a Sede Campestre estará fechada nos feriados de final de ano, nos dias 24/12 – 25/12 e 31/12 – 01/01.

Acesso liberado normalmente nos outros dias.

 

Sede Campestre

O SINVICXS em parceria com o SINDVEST disponibiliza a Sede Campestre para os Sócios.

A temporada de verão 2018-2019 se inicia no dia 17/11 e vai até 31/03.

Somente para Sócios do Sindicato.

 

O associado tem direito ao uso das piscinas e quiosques para lazer, juntamente com toda sua familia em um lugar bem localizado, de facil acesso e com estrutura para recebe-los.

 

ENDEREÇO: Avenida Capivari, n1000, Loteamento Capivari, Caxias do Sul (Proximo a All Need Master Hall)

 

 

VALORES:

35,00 REAIS /MENSALIDADE (direito a toda a familia, filhos até 18 anos – mediante carteira de dependente criada junto ao sindicato)

10,00 REAIS EXAME MEDICO / PESSOA (valido para a temporada)

CONVIDADOS E FILHOS MAIORES DE 18 ANOS 25,00 REAIS POR PESSOA + EXAME MÉDICO

 

O ASSOCIADO DEVE REALIZAR O PAGAMENTO NO SINDICATO E RETIRAR ORDEM DE ENTRADA.

FGTS – Reclamar tem prazo reduzido

URGENTE

 

FGTS – RECLAMAR TEM PRAZO REDUZIDO

 

A partir de novembro de 2019, o empregado só poderá cobrar na justiça os valores não depositados do seu fgts dos ultimos 5 anos.

 

Quem entrar na justiça antes de novembro de 2019, ainda poderá cobrar os ultimos 30 anos.

 

Após sair do emprego, o trabalhador tem o prazo de até 2 anos para cobrar na justiça os valores não pagos.

 

TRT não permite mais entrada uniformizado

IMPORTANTE

 

A Justiça do Trabalho  não permitirá mais o ingresso na mesma, de pessoas com uniformes de empresas de vigilancia.

Referida Proibição se da conforme determina a lei numero 7.102/83, a qual em seu artigo 18 proibe o uso do uniforme quando o vigilante não estiver em efetivo serviço.

Portanto, se voce for comparecer na justiça do trabalho, seja para uma audiencia ou como testemunha, ou para qualquer outra finalidade, não vá uniformizado, pois não poderá entrar.

Friza-se novamente, O UNIFORME DA EMPRESA NÃO PODE SER USADO FORA DO SERVIÇO.

STJ reconhece profissão de vigilante como atividade especial

Tribunal asseverou a possibilidade de se caracterizar a profissão de vigilante como atividade especial, mesmo após 05.03.1997, desde que comprovada a exposição do trabalhador à atividade nociva.

O Superior Tribunal de Justiça, ao julgar o Recurso Especial nº 1.410.057/RN, decidiu que é possível a caracterização da atividade de vigilante como atividade especial, mesmo após 05/03/1997 (início de vigência do Decreto nº 2.172/97).

Citando a Professora Adriane Bramante, o Ministro Napoleão Nunes Maia Filho (Relator da ação) afirmou que “é inegável que há exposição ao risco iminente e possibilidade de um acidente/acontecimento súbito que pode ocasionar prejuízo à integridade física do trabalhador, principalmente no que tange às atividade de segurança pessoal e patrimonial que, como todos sabemos, atualmente é bastante precária“.

O voto do Relator ainda assentou que é possível o reconhecimento da especialidade da categoria profissional de vigilante independente do uso de arma de fogo ou não, desde que apresentadas provas da permanente exposição do trabalhador à atividade nociva.

Assim, o voto do Relator foi seguido por unanimidade, fixando o entendimento de que é possível a caracterização da atividade de vigilante como especial, mesmo após 5.3.1997, desde que comprovada a exposição do trabalhador à atividade nociva, independente do uso – ou não – de arma de fogo. 

Recurso Especial nº 1.410.057 – RN

Leia aqui na íntegra

Fonte: Previdenciarista