Reforço na segurança do RS

Com a escalada de ações de quadrilhas especializadas em ataques a bancos no Rio Grande do Sul, a Polícia Civil decidiu reforçar a equipe da Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), responsável pela investigação de casos em todo o Estado. A decisão foi tomada na manhã de terça-feira (6) durante uma reunião entre o secretário de Segurança Pública do Estado, Cezar Schirmer, e o chefe da Polícia Civil, delegado Emerson Wendt. Nove investigadores reforçarão a equipe por pelo menos três meses.

Nos primeiros 67 dias do ano, o número de ataques a bancos no Rio Grande do Sul, subiu 7%, segundo levantamento da Rádio Gaúcha. Foram 44 casos contra 41 em igual período de 2017. Apesar do aumento, o número está longe da quantidade registrada no começo de 2016, quando 77 crimes foram registrados.

Os primeiros 10 dias do mês têm a preferência dos bandidos. Dos 44 casos de 2018, 26 deles, ou 59%, foram cometidos neste período, quando há pagamento do salário dos trabalhadores.

Assim como no ano passado, os criminosos seguem de olho nas cidades com menos de 20 mil habitantes, onde o policiamento é menor. Na média, 50% dos casos entre 2017 e 2018 ocorreram nesses municípios: Mata, Santa Clara do Sul e Guaíba.

População de Mata está assustada após ataques a bancos e comércio

A população de 5 mil habitantes do pequeno município de Mata, na Região Central do Rio Grande do Sul está assustada com a insegurança. Na madrugada desta quarta-feira (7), homens arrombaram uma agência bancária, lotérica, lojas e também o clube da cidade de Mata.

Os ataques começaram por volta das 3h30 desta quarta-feira, quando os suspeitos chegaram em um carro, encapuzados e com armas. De acordo com os moradores, pelo menos quatro homens participaram da ação e ainda usaram miguelitos na estrada para dificultar a chegada da polícia.

Os assaltantes quebraram os vidros das portas de seis lugares. Atacaram também uma loja de eletrodomésticos foram levados aparelhos celulares e uma motosserra. Eles levaram da lotérica dinheiro, e um revólver da agência do Sicredi. Os homens ainda entraram no Banco do Brasil, em uma loja de roupas e no clube social da cidade.

Todos os estabelecimentos atacados se concentram na mesma área do centro de Mata.

A violência dessa madrugada deixou os moradores assustados, principalmente os comerciantes. Um deles, que não quis se identificar porque está com medo, disse que viu a ação do grupo pelas câmeras de segurança.

“Os caras vieram tranquilos. Sabem que não tem policiamento. Quebraram a porta com um machado, tranquilo. Saíram como se nada fosse acontecer com eles”, disse o comerciante.

Durante os ataques da madrugada, alguns moradores se esconderam em banheiros e até de baixo da cama.

“É muito mal, né? Sem segurança a gente não é ninguém mais. Nem Mata escapa”, lamentou a dona de casa Maria Madalena Souza.

Esse é o segundo ataque a bancos na cidade em pouco mais de 30 dias. A polícia acredita que os ataques possam ter relação.

“Ainda é muito cedo para que possamos dar maiores detalhes. No entanto, já demos iniício as investigaçòes. Já providenciamos todas as diligências preliminares, que poderiam ser realizadas. A partir desse momento nós vamos empreender todos nossos esforços para tentar identificar esse grupo que está agindo. Nós acreditamos que guarde relação, esses delitos, com os que ocorreram mês passado”, ressaltou a delegada responsável pelo caso, Débora Pultosi.

Por causa dos outros ataques, apenas uma agência bancária estava funcionando na cidade. Agora com esse novo roubo os moradores precisam ir até outras cidades atrás de agências.

“Tem que sair pra receber, que tem sair pra outros municípios. O que vamos fazer? Agora, isso aí pro município pequeno, nós nunca tinhamos visto algo assim”, desabafou o agricultor Aldo Warth.

O prefeito conta que faltam policiais na cidade, e com dois ataques em um mês tenta agora uma ajuda da Secretaria de Segurança.

“Desde o outro evento, que inclusive eu estava de férias, eu falei com o pessoal da secretaria para conseguir mais efetivo para o nosso munícipio, tendo em vista que nós temos cinco brigadianos”, comentou o prefeito Roni Brüning.

A reportagem da RBS TV procurou a Secretaria de Segurança e ainda não obteve retorno.

Por Mauricio Rebellato, RBS TV

Reprodução/Fonte:G1, RBS TV